“Vamos construir 782 escolas técnicas e fazer revolução para os adolescentes”, diz Lula

"Vamos construir 782 escolas técnicas e fazer revolução para os adolescentes", diz Lula

Presidente participou da 12ª Conferência Pátrio dos Direitos das Crianças e dos Adolescentes, na noite desta quarta (3)

 

O presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, participou, na noite desta quarta-feira (3/4), da 12ª Conferência Pátrio dos Direitos das Crianças e dos Adolescentes (12ª CNDCA), que está sendo realizada em Brasília (DF). O evento é o principal espaço para discutir e propor medidas ligadas a esse público. Desta lanço, serão construídas propostas de ações e políticas públicas que garantam direitos no contexto das adversidades deixadas pela pandemia de Covid-19.


“É preciso que a gente retome uma pátria”, afirmou o presidente Lula ao lembrar das mais de 40 milénio crianças que ficaram órfãs durante a pandemia no Brasil.


Lula ressaltou ainda a influência de combater a desigualdade social e racial por meio da ensino para os jovens. “Em 100 anos, esse País construiu 140 escolas técnicas. Nós vamos edificar 782 para que a gente faça uma revolução para beneficiar os adolescentes. Eu assumi o compromisso com a minha consciência que até o final do meu procuração nós vamos chegar a milénio escolas técnicas e institutos federais nesse País”, destacou.

Em seu exposição, o ministro dos Direitos Humanos e da Cidadania, Silvio Almeida, reforçou a influência das políticas públicas para a garantia de um porvir melhor para as próximas gerações e lembrou das crianças em situação de pobreza que sofreram com a escassez da merenda escolar durante a pandemia de Covid-19. “É toda essa miséria que nós não queremos que volte. A única coisa que nos salva dessa tragédia e dessa miséria é a boa política, é a democracia, é a participação social”

O evento contou ainda com a presença da primeira-dama, Janja Lula da Silva; do titular da Secretaria-Universal da Presidência da República, Márcio Macedo; do secretário pátrio dos Direitos da Menino e do Juvenil, Cláudio Vieira; e da presidente do Conanda, Marina de Pol Poniwas, além do público infantojuvenil, que representa oriente setor social.

Ações

A solenidade de sinceridade do evento ocorreu na terça-feira (2/4) com lançamento de ações, uma vez que a Recomendação Conjunta sobre Serviços de Família Acolhedora, que propõe: testificar às crianças e aos adolescentes, das diferentes faixas etárias, o recta a crescer e se desenvolver em envolvente familiar, mesmo durante a medida protetiva de protecção; concordar a implementação e a ampliação dos Serviços de Guarida em Família Acolhedora do Sistema Único de Assistência Social e a gradativa transição da modalidade de protecção institucional para protecção familiar, cumprindo logo o que preconiza o Regimento da Menino e do Juvenil (ECA), entre outras ações.

O documento foi assinado pelo ministro Silvio Almeida, pelo ministro do Desenvolvimento e Assistência Social, Família e Combate à Míngua substituto, André Quintão, pela presidenta do Conanda, Maria de Pol Poniwas e pelo juiz facilitar da presidência do CNJ, Edinaldo Santos.

Campanha

Também idealizada pelo CNJ, foi anunciada a campanha “Se renda à puerícia”, que destina secção do Imposto de Renda a projetos voltados a crianças e adolescentes. O juiz Edinaldo Santos explicou a iniciativa: “Enquanto ação do Pacto Pátrio pela Primeira Puerícia, nós propomos dar visibilidade e valorizar a flutuação das infâncias do nosso país, semeando o propósito de que pessoas físicas e jurídicas, sem nenhum gasto suplementar, contribuam para mudanças na veras de vida de milhões de cidadãos que estão na período mais estruturante da sua existência”, disse o magistrado.

O evento é uma iniciativa do Recomendação Pátrio dos Direitos da Menino e do Juvenil (Conanda) em parceria com a Secretaria Pátrio dos Direitos da Menino e do Juvenil do Ministério dos Direitos Humanos e da Cidadania (SNDCA/MDHC).

Confira o evento:

Por: Dependência Gov, com informações do Ministério dos Direitos Humanos e da Cidadania (MDHC)