Ministério do Esporte institui Programa Paradesporto Brasil em Rede

Ministério do Esporte institui Programa Paradesporto Brasil em Rede

O ministro André Fufuca assinou portaria que cria rede colaborativa de instituições de ensino superior para ofertar atividades paradesportivas gratuitas a pessoas com deficiência

 

Uma rede de universidades e institutos federais destinando estrutura e produção científica para a prática e a melhoria do paradesporto brasiliano. O Programa Paradesporto Brasil em Rede (PPBR) foi instituído nesta quinta-feira (21/3) , por meio da Portaria nº 38/2024 , assinada pelo ministro do Esporte, André Fufuca, com um conjunto de ações que vão da oferta de atividades físicas e esportivas para pessoas com deficiência à capacitação de profissionais.

O PPBR se trata de uma rede conectada e colaborativa de instituições de ensino superior formada a partir de núcleos de atendimento. Esses departamentos ofertarão atividades paradesportivas gratuitas a pessoas com deficiência, coordenadas por um (ou mais) núcleo gestor em parceria com a Secretaria Vernáculo do Paradesporto (SNPar/MEsp). Pessoas com deficiência a partir dos seis anos de idade são o público-alvo da iniciativa, priorizando o mínimo de 50% das vagas para meninas e mulheres.

“O paradesporto é uma prioridade deste ministério. Uma vez que uma das maiores potências paradesportivas do mundo, é importante para o Brasil ofertar esporte às pessoas com deficiência porquê recta. Dessas atividades de base, de cidadania, além de investir numa população mais saudável, criamos condições para deslindar os talentos que vão manter o Brasil no topo entre os países com mais medalhas nas competições internacionais”, definiu o ministro.

Entre os principais objetivos do Paradesporto Brasil em Rede, estão a promoção de competições, lazer e inclusão social em todas as regiões; o fomento à produção científica e a capacitação de profissionais para atuar em desenvolvimento e gestão de projetos paradesportivos. A portaria prevê que cada núcleo de atendimento deve ofertar pelo menos duas modalidades paradesportivas, sendo uma paralímpica e uma não paralímpica, podendo ser individuais e coletivas.

Para o secretário vernáculo do Paradesporto, Fábio Araújo, o PPBR aumenta a capacidade governamental no atendimento direto a pessoas com deficiência no esporte, com o pedestal científico e tecnológico valioso da produção acadêmica para diversas modalidades.
“A partir da premissa de uma rede conectada de instituições, temos todo um potencial para entrega de atendimento de qualidade e de melhoria permanente, ao mesmo tempo em que todo conhecimento científico produzido, de domínio público, poderá ser replicado por outras instituições”, avaliou Fábio.
A portaria entra em vigor no dia 1º de abril de 2024.

Acesse a portaria .

Por: Ministério do Esporte