MinC divulga resultado da oficina para aprimoramento de soluções digitais de fomento à cultura

MinC divulga resultado da oficina para aprimoramento de soluções digitais de fomento à cultura

O Ministério da Cultura (MinC), por meio da Subsecretaria de Gestão Estratégica (SGE), divulgou nesta segunda-feira (25) o resultado das informações coletadas durante a Oficina de Design – ativação federativa de soluções digitais, realizada entre os dias 21 e 23 de fevereiro. Na ocasião, foi publicado um livreto com as descobertas iniciais que vão contribuir para a operacionalização dos sistemas digitais de fomento à cultura, no contexto da Política Pátrio Aldir Blanc (PNAB), com gestoras e gestores públicos estaduais e federais e agentes culturais.

Os principais problemas de fluxo mapeados durante as oficinas foram nas etapas de avaliação de editais, monitoramento e prestação de contas. Para Juliana Almeida, coordenadora de Seguimento de Projetos da Subsecretaria de Gestão Estratégica (SGE/MinC), as etapas ainda serão aprimoradas.

“Existe um vazio de soluções digitais na avaliação dos editais que precisam ser aprimorados. Já na lanço de monitoramento e prestação de contas, o sistema atende, mas ainda é muito imaturo. São gargalos que serão aprimorados e a nossa teoria é usar todas as habilidades do sistema”, explicou.

OFICINA

A oficina de design utilizou métodos colaborativos e de escuta das pessoas envolvidas e buscou elencar os problemas visando uma futura solução. Aliás, buscou-se validar o fluxo de fomento e simplificar a jornada dos entes federados, gestores e agentes culturais.

“Muitas pessoas pensam que design é só uma questão gráfica, mas não é. Tem muito mais a ver com equacionar e relacionar fragmentos de um processo de escuta qualificada que orienta as soluções inovadoras para problemas diferentes”, explicou Ranielder Freitas, doutor em Design e facilitador da oficina.

Metodologia

Os participantes da oficina foram divididos em grupos para indicar diferentes problemas para gestão do fluxo. A oficina propôs uma reflexão sobre seis macroetapas: planejamento, processamento do solicitação público, celebração, realização/monitoramento, prestação de informações e avaliação/informação de resultados.

De convénio com Juliana Almeida, as dinâmicas foram realizadas buscando o levantamento dos requisitos de forma lúdica. “Queríamos que o levantamento de requisitos tivesse o suporte de ferramentas de design de políticas públicas. Portanto, fizemos todo o processo do fluxo que mapeia todas as fases de gestão do fomento à cultura e fomos detectando quais soluções digitais eram utilizadas, quais etapas eram problemáticas, e principalmente, levantando as dores dessa comunidade”, disse.

Mapas de Cultura

A relevância do projeto foi ampliada pela realização federativa da PNAB, que prevê investimentos significativos no campo cultural. Diante desses desafios, o MinC se empenhou em restaurar o potencial da plataforma Mapas Culturais, que foi base para o Sistema Pátrio de Informações e Indicadores Culturais – SNIIC.

O Planta da Cultura passou por recente atualização. Na versão 7 é verosímil localizar iniciativas culturais em todo o Brasil com uma apresentação mais intuitiva e dinâmica. A oficina também se destinou ao levantamento de dados para a versão 8.

Uma das vantagens do Planta da Cultura é a sua capacidade de democratizar o entrada à cultura, permitindo que toda pessoa, em qualquer lugar do país, possa encontrar e participar de eventos culturais próximos a ela. Aliás, a plataforma também facilita a gestão de projetos culturais, oferecendo ferramentas para a divulgação, organização e comitiva de iniciativas culturais.

O projeto do MinC para atualização do Planta da Cultura é desenvolvido em parceria com a Universidade Federalista do Paraná (UFPR), que possui dois projetos de extensão voltados para essas soluções digitais. São eles: Qualificação do Ecossistema para Soluções Digitais e o Laboratório da Cultura Do dedo.

Próximas etapas

Conforme a Subsecretaria de Gestão Estratégica (SGE) haverá outros momentos de escuta e interação com agentes culturais da sociedade social para continuidades do projeto.

Por: Ministério da Cultura (MinC)