Com apoio do MinC, Salvador receberá primeiro Centro Cultural Banco do Brasil das regiões Norte-Nordeste

Com apoio do MinC, Salvador receberá primeiro Centro Cultural Banco do Brasil das regiões Norte-Nordeste

 

Em Salvador (BA), a ministra da Cultura, Margareth Menezes, assinou, nesta sexta-feira (22), protocolo de intenções junto ao governo do Estado da Bahia e ao Banco do Brasil para a instalação do Núcleo Cultural Banco do Brasil (CCBB) Salvador-Bahia. O multíplice cultural será instalado no Palácio da Saudação, núcleo da capital baiana.

Patrimônio Cultural do estado, o Palácio que abrigou a cerimônia e, no horizonte, o CCBB, por 55 anos foi residência solene dos governadores do estado, palco de inúmeros acontecimentos históricos e de importantes decisões políticas.

Para a ministra, esse é um momento peculiar não só para a Bahia, mas para o Brasil. “Nós estamos trabalhando desde a retomada do Ministério da Cultura com essa visão de naturalizar a oportunidade do fomento, dos equipamentos culturais e esses equipamentos são um brinde tanto pela formosura desse prédio, quanto pela formosura do que vem aí com esse Núcleo Cultural do Banco do Brasil. Estou muito feliz porquê ministra, mas também porquê artista, porquê baiana e porquê brasileira. Isso vem ao encontro das políticas que estamos fazendo no governo do presidente Lula, de dar essa oportunidade para todos”.

A director da Cultura completou: “Nós não estamos descentralizando, nós estamos nacionalizando, vendo o Brasil porquê um só. E é com essa direção de pensamento que nós estamos trabalhando o fomento da Cultura no Brasil”, pontuou ao lembrar que o BB foi um dos primeiros parceiros do MinC.

O governador da Bahia, Jerônimo Rodrigues, explicou que a extensão onde o Palácio está localizado será um grande multíplice. “Nós estamos dando o pontapé inicial, cá nós teremos um multíplice, entregaremos um novo Teatro Castro Alves, cá chegará um metrô até o Campo Grande e junto com esse CCBB nós teremos cá um multíplice de cultura muito poderoso, nós trabalharemos para revitalizar o núcleo histórico, chegando ao Campo Grande, Avenida 7, Carlos Gomes”.

A presidenta do Banco do Brasil, Tarciana Medeiros, destacou que é cada vez mais evidente que a pluralidade é a maior catalisadora da originalidade e papel do MinC para o setor. “O setor criativo é e tem um grande potencial para a geração de empregos e o fomento à economia. Estamos vivenciando a retomada da valorização da cultura, com a relevância que ela merece por meio da recriação do MinC, com a formulação de políticas públicas de forma democrática e participativa, muito porquê pela destinação de investimentos crescentes para os fazedores de cultura do nosso país”.

Para a presidente do Banco, “a Bahia sempre precisará estar em nossos imaginários coletivos porquê brasileiros, para sermos um país mais inclusivo e plural. São essas razões que fizeram o BB estreitar ainda mais o seu vínculo com o estado. Quero sobresair que o surgimento deste espaço cultural, transcende a parceria entre o banco e a Bahia, trata-se de um ato de coragem, de revisão histórica e uma mostra concreta do Banco do Brasil de contribuir para descentralizar os investimentos em cultura, que sabemos são concentrados em outras regiões do país. É a naturalização da cultura”, disse.

Trata-se do quinto aparelho cultural do Banco do Brasil, que possui centros no Rio de Janeiro, Brasília, São Paulo e Belo Horizonte. O CCBB Salvador-Bahía fortalecerá um rodeio cultural da região medial de Salvador que conta com museus, galerias, teatros, cinemas e outros equipamentos culturais que vai desde o Pelourinho, passando pela avenida Carlos Gomes, Avenida Perímetro, Barris, Campo Grande, Canela, Galeria da Vitória e Perdão.

Histórico

O movimento de expansão dos CCBBs e da taxa cultural pelo BB deu um passo no último edital de Patrocínios Núcleo Cultural Banco do Brasil 2023/2025, que estabeleceu um eixo curatorial pautado em projetos que sejam inclusivos, reafirmem as nossas origens e ancestralidade, narrativas regionais e o pensamento decolonial. O intuito era prometer que houvesse projetos que contemplassem todas as regiões do país. Foram selecionados 137 projetos entre os mais de 6 milénio inscritos. A atuação conjunta com o Ministério da Cultura potencializou a descentralização geográfica da origem dos projetos selecionados. As regiões Setentrião e Nordeste têm maior percentual de projetos selecionados do que de inscritos, o que garante maior pluralidade e inclusão de todas as manifestações artísticas do país.

Os projetos começaram a rodar pelos quatro centros culturais do BB – no Rio, em Brasília, São Paulo e BH – a partir do segundo semestre de 2023, garantindo uma programação diversificada e inclusiva. Em 2023, o Banco do Brasil investiu mais de R$ 50 milhões na programação cultural dos CCBBs, sendo R$ 14,7 milhões via Lei de Incentivo à Cultura. No período, os CCBBs foram palco de 251 iniciativas culturais, com mais de 3,7 milhões de visitantes, número 20% maior que o do ano anterior.

CCBB

Os CCBBs são centros de vantagem que figuram entre os espaços culturais mais visitados do mundo e têm porquê diferenciais a pluralidade e ineditismo de programações, que contribuem para democratizar o aproximação à cultura e geração de empregos.

Por: Ministério da Cultura