Aumento na produção de carnes em 2024 garante abastecimento interno e exportações

Aumento na produção de carnes em 2024 garante abastecimento interno e exportações

 

A produção das três principais carnes do país deve chegar a 30,88 milhões de toneladas neste ano. O volume representa propagação de 3,9% se comparado com 2023. A projeção é da Companhia Pátrio de Provimento (Conab), com base na avaliação do quadro de suprimento de carnes, divulgado nesta quarta-feira, 3 de abril. O incremento implica em uma elevação na disponibilidade interna, estimada em 21,12 milhões de toneladas, o que garante o aprovisionamento no mercado brasiliano. Também devem crescer em torno de 6,5% as exportações, projetadas em 9,85 milhões de toneladas.

Para a mesocarpo bovina, o quadro esperado é de aumento na produção, retomando a marca de 10 milhões de toneladas, volume atingido nos anos de 2006 e 2007. Conforme a Conab, o volume produzido é revérbero do ciclo pecuário iniciado no ano pretérito, com uma subida nos abates motivado por descarte de fêmeas.

A disponibilidade interna do resultado deverá chegar a 6,6 milhões de toneladas, se mantendo próximo à firmeza, com um ligeiro aumento de 0,2%, enquanto que as exportações devem permanecer em torno de 3,5 milhões de toneladas.

“A maior quantidade de carnes disponíveis no mercado interno é um bom indicativo para os consumidores. Mas, além desse aumento na produção, os preços dos insumos para sustento bicho estão menores para o instituidor. Essa combinação de fatores tende a sustentar os preços das carnes em patamares mais baixos para os brasileiros e as brasileiras”, destacou Edegar Pretto, presidente da Conab.

CONQUISTA DE NOVOS MERCADOS — Também é esperada uma maior exportação da mesocarpo suína em 2024. Se no ano pretérito os embarques chegaram a 1,21 milhão de toneladas, para oriente ano é esperado um volume exportado de 1,29 milhão de toneladas, 6,6% superior.

O bom resultado é revérbero de um propagação na produção da mesocarpo suína no país na ordem de 3,7%, estimada em 5,55 milhões de toneladas. A subida nas exportações não impactam na disponibilidade interna que está estimada em 4,22 milhões de toneladas, elevação de 2,8% em relação a 2023.

“Essa elevação se dá, principalmente, pela conquista de novos mercados. Nos dois primeiros meses deste ano os embarques estão 13% maiores em relação ao mesmo período de 2023. O bom desempenho é conquistado mesmo com a queda de 32% nos envios para a China, maior mercado consumidor da mesocarpo suína brasileira”, pondera o gerente de Fibras e Provisões Básicos da Conab, Gabriel Rabello.

“Se olharmos para o mercado extrínseco, mesmo com a China recuperando seu plantel de suínos, tende a ter uma demanda maior pelo resultado brasiliano devido ao embargo chinês à mesocarpo bovina entre fevereiro e abril do ano pretérito. Ainda assim, essa elevação na demanda internacional não tende a afetar a oferta da mesocarpo no mercado interno, em razão da maior oferta aliada a preços de insumos mais baixos”, explica Rabello.

SÉRIE HISTÓRICA — Para a avicultura de namoro também é esperado um aumento de 1,5% na produção neste ano em verificação com 2023, sendo estimada em aproximadamente 15,4 milhões de toneladas. O maior volume produzido possibilita uma elevação na disponibilidade do resultado no mercado interno de 4,3%, podendo chegar a 10,3 milhões de toneladas, a terceira maior da série histórica.

“A maior produção e, consequentemente, oferta das demais proteínas impacta no mercado interno, pressionando os preços da mesocarpo de frango para inferior no país, fazendo com que haja uma tendência de elevação da demanda, o que influencia na maior disponibilidade do resultado”, destaca Rabello. Mesmo assim, as exportações também devem ter uma ligeira subida de 0,9%, se mantendo um pouco supra de 5 milhões de toneladas.

OVOS — Além das informações sobre carnes, o quadro de suprimento da Conab também traz informações sobre a produção de ovos no país. De concordância com a estimativa da estatal, a produção para 2024 deve atingir um novo recorde e chegar a 41,1 bilhões de unidades de ovos para consumo. Com oriente volume, a disponibilidade per capita do resultado deve se manter inabalável, estimada em 200,2 unidades por habitante ao ano.